O Verdadeiro Rebelde

 “Exaltado seja o Deus de minha salvação! o Deus que por mim tomou vingança…; o Deus que me livrou dos meus inimigos; sim, Tu que me exaltaste acima dos meus adversários, e me livraste do homem violento. Sal. 18:46-48”.

Na segunda metade do século dezesseis, na Escócia, John Welsh, pregador e genro do reformador escocês John Knox, foi perseguido implacavelmente por aqueles que desejavam tirar-lhe a vida. Durante longo tempo ele conseguiu escapar de seus perseguidores, mas por fim parecia não haver lugar seguro onde esconder-se. Ele orou e creu que Deus lhe mostraria um plano para despistar os inimigos.

Naquela noite, Welsh bateu à porta de um homem bem conhecido por sua feroz oposição aos assim-chamados “pregadores do campo”, um homem que procurara prender Welsh, mas nunca o havia encontrado. Não reconhecido pelo dono da casa, Welsh foi recebido com bondade. Durante a noite, a conversa chegou ao odiado Welsh. O anfitrião queixou-se amargamente de não ter conseguido capturar esse homem que ele considerava um rebelde e agente de Satanás.

– Fui encarregado – disse Welsh – de capturar essas pessoas. Eu sei onde Welsh vai pregar amanhã. Se o senhor quiser, posso colocá-lo em suas mãos.

– Nada me daria mais prazer – disse o dono da casa.

No dia seguinte, Welsh e seu anfitrião caminharam até o lugar onde os fiéis haviam combinado reunir-se. Welsh convidou seu anfitrião a sentar-se na única cadeira disponível – uma cadeira que Welsh havia providenciado especialmente para ele. Então começou a pregar acerca do amor de Deus pelos pecadores. Falou com um poder tão persuasivo e tocante, que o coração de seu inimigo se comoveu.

No encerramento da reunião, Welsh disse:

– Senhor, eu sou Welsh. Leve-me e prenda-me, e faça o que bem quiser.
Seu ex-inimigo, agora amigo e converso, recusou!

“Quando, com fé, lançarmos mão de Sua força, Ele mudará, mudará maravilhosamente, a mais desesperançada e desanimadora das perspectivas. Ele o fará para a glória de Seu nome. Deus pede aos Seus fiéis, aos que nEle crêem, que falem de ânimo aos incrédulos e desesperançados.” – Serviço Cristão, pág. 234.

Essas palavras devem encorajar-nos quando as perspectivas parecem sombrias.