Maternidade real

Saldo do dia: acordar 6h, fazer café da manha, lanche da escola, ajeitar o mais velho para a escola às 7h30, nesse meio tempo a bebê mama. “Descansar” até 8:30 quando a bebê acorda, fazer café da manhã dela, brincar com ela, fazer almoço e arrumar a casa.

12:00: dar almoço para a bebê, dar banho, bebê mama, logo dorme, agora posso almoçar enquanto ela dorme, tento descansar.

15:00: o mais velho chega da escola, bebê acorda, lanche pros dois, passear no parque com os dois, jantar pros dois, ensinar a tarefa pro mais velho, brincar com o mais velho, ler a bíblia pros dois, banho nos dois, gagau pros dois, escovar os dentes dos dois.

20:00: orar, colocar os dois para dormir…

Agora posso comer tranquila, tomar banho e escovar os dentes. Isso é, se eu conseguir me levantar da cama.

O meu desafio na maternidade é manter a sanidade, nos dias exaustivos (como hoje), é conseguir sorrir em meio a dor no joelho, dores na coluna e no corpo por carregar peso. É não descontar o stress neles (por simplesmente ainda não ter conseguido ao menos escovar os dentes), é me manter agradável para o meu marido e assim tornar o meu lar um ambiente feliz. Esse tem sido meus desafios desde o dia que ESCOLHI ser mãe, pois sabia que essa escolha mudaria todo percurso da minha vida, eu não mais viveria para mim, e sim, para eles, e se eu não tivesse discernimento dos tempos, certamente seria alguém frustrado, mas eu entendo que HOJE, meu tempo, minha vida, meus projetos, são ELES 3, meus filhos e meu marido, e como disse antes: depois eu me reencontro, me reconstruo, agora me sinto completa assim, vivendo o chamado que Deus me confiou, rompendo os desafios (que são muitos) a cada dia. Essa sim, é a maternidade na real, sem purpurina, sem filtros, sem ibope, mas com amor, renuncias, apego, suor, sorrisos, MUITO AMOR e MUITO TRABALHO.

FONTE: Mowana Débora

Ellen White escreveu:

O rei em seu trono não tem função mais elevada que a mãe. A mãe é a rainha do lar. Ela tem em seu poder o modelar o caráter dos filhos, para que estejam capacitados para a vida mais alta, imortal. Um anjo não desejaria missão mais elevada; pois em fazendo sua obra ela está realizando serviço para Deus. Compreenda ela tão somente o elevado caráter de sua tarefa, e isto lhe inspirará coragem. Compreenda ela a dignidade de sua obra e tome toda a armadura de Deus, para que possa resistir à tentação de conformar-se aos padrões do mundo. Sua obra é para o tempo e a eternidade.

A mãe é a rainha do lar, e os filhos são os seus súditos. Deve governar a casa sabiamente, na dignidade de sua maternidade. Sua influência no lar deve ser excelsa; sua palavra, lei. Se é cristã sob o governo de Deus se imporá ao respeito dos filhos. Os filhos devem ser ensinados a considerar sua mãe, não como uma escrava cujo trabalho seja servi-los, mas como uma rainha que deve guiá-los e dirigi-los, ensinando-os mandamento sobre mandamento, regra sobre regra. Livro “Ser Mãe – O que é? Pág. 7,8