O Custo das Convicções

Vivei, acima de tudo, por modo digno do evangelho de Cristo, … firmes em um só espírito, como uma só alma, lutando juntos pela fé evangélica; e… em nada… intimidados pelos adversários. Filip. 1:27 e 28.

Sam Houston, general e estadista texano, ficou conhecido por defender causas impopulares, mesmo que o custo fosse elevado. Numa época em que era impopular defender os índios americanos, ele foi a Washington como membro de uma delegação dos “Cherokees” para queixar-se ao governo das práticas corruptas dos agentes indigenistas. Opôs-se à escravatura numa época em que era impopular fazer isso. No dia 18 de março de 1861, foi deposto como governador de Estado porque se opunha à secessão e recusou-se a jurar lealdade à Confederação.

Duas semanas mais tarde, no discurso a uma multidão que clamava por seu sangue, Houston declarou: “Sempre tive como regra invariável na minha vida não formar nenhuma opinião ou dar veredicto sobre qualquer grande questão pública antes de ouvir e considerar cuidadosa e imparcialmente todas as evidências…, e, uma vez tendo assumido minha posição, nenhum temor da condenação popular me poderá induzir a modificá-la. Nunca permiti que o clamor, a paixão, o preconceito ou a egoísta ambição popular me induzissem a mudar uma opinião ou um veredicto que minha consciência e razão tenham formado e considerado justos. …

“A Vox Populi nem sempre é a voz de Deus, pois quando os demagogos e líderes políticos egoístas conseguem excitar o preconceito do público e silenciar a voz da razão, pode-se ouvir o clamor popular “Crucifica-O, crucifica-O!” A Vox Populi torna-se então a voz do diabo.

Essas palavras foram destemidas, mas observe que, antes de tomar uma posição conscienciosa, Houston procurava assegurar-se de que estava ao lado da justiça. Defender o que é correto freqüentemente desperta oposição e perseguição. Hoje em dia é popular ser cristão, mas pode não continuar sendo assim. Para você e para mim vem a pergunta: “Estão certas as convicções de minha consciência? Estão em harmonia com a Palavra de Deus?” Se estiverem, apeguemos-nos a elas, seja qual for o preço.

A escritora Ellen White escreveu o seguinte texto:

Os princípios e as virtudes cristãs de toda a sociedade de crentes devem produzir firmeza e força em ação harmoniosa. Todo crente deve tirar proveito e prevalecer-se da influência refinadora e transformadora das variegadas capacidades dos outros membros, para que aquilo que falta num deles seja manifestado mais abundantemente em outro. Todos os membros devem avançar juntos, para que a Igreja se torne um espetáculo ao mundo, aos anjos e aos homens.

Precisamos compreender que neste tempo muita coisa esta em jogo. Os poderes baixos, aliados as paixões humanas estão em constante trabalho para desestabilizar a nossa sociedade. Fiquemos firmes em nossos princípios.